Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Alzheimer

A Doença de Alzheimer é uma doença degenerativa, progressiva e que compromete o cérebro por morte de células cerebrais e atrofia do mesmo, e que vitima anualmente cerca de 60 mil pessoas em Portugal.


Relativamente às principais causas para o surgimento desta doença podemos destacar:


• Problemas sociais, como o abandono, marginalização afectiva, solidão
• Falta de exercício físico e mental
• Hábitos alimentares incorrectos e numerosas doenças, podem também estas potenciar o declínio das capacidades cognitivas associadas à doença.

 

A Medicina Complementar apresenta alternativas terapêuticas comprovadas das quais os doentes de Alzheimer podem beneficiar.

 

Exemplo disto é a utilização para fins medicinais da Planta Medicinal Salvia officinalis, cujos princípios activos mostraram, em testes feitos, a capacidade para inibir fortemente as enzimas envolvidas nas neurotrasmissões cerebrais e responsáveis pela progressão da doença.

 

Na Clínica da Vinci, intervimos com uma abordagem integrativa e inovadora, onde são utilizadas, para além da fitoterapia, áreas clínicas como:


• Homeopatia
• Medicina Quântica
• Acupunctura
• Nutrição
• Entre outras

 

Promovemos através destas áreas terapêuticas a uma gradual melhoria do estado de saúde do paciente, com uma consequente estagnação da doença e dos seus sintomas socialmente incapacitantes.

 

No tratamento da doença de Alzheimer existem duas variáveis a considerar: os aspectos comportamentais e os desequilíbrios químicos que ocorrem no cérebro.

 

Os sintomas mais comuns da doença de Alzheimer são:


• Alterações comportamentais profundas
• Dificuldade no raciocínio
• Dificuldade na articulação do pensamento
• Diminuição da memória
• Perda gradual da memória, principalmente memória recente
• Declínio no desempenho de tarefas quotidianas
• Diminuição do senso crítico
• Desorientação temporo-espacial
• Alterações da personalidade
• Dificuldade na aprendizagem
• Dificuldades na área da comunicação inter-pessoal, deixando inclusivamente de reconhecer o rosto dos seus familiares.

 

Quando cada uma destas variáveis é tida em conta e tratada de forma conveniente, observam-se resultados bastante positivos, tanto no padrão comportamental como na estabilização dos desequilíbrios químicos.

 

É uma doença muito relacionada com a idade, afectando as pessoas com mais de 50 anos, e que pode ser acompanhada do ponto de vista terapêutico com bastante sucesso pela Medicina Complementar.

 

Para mais informações, contacte a nossa Recepção e descubra tudo o que podemos fazer pela sua Saúde.