Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Diabetes

O número de pessoas com diabetes tem vindo a aumentar nos últimos anos em Portugal, atingindo não só os adultos como também, e cada vez mais, pessoas em idades mais jovens.

 

Em Portugal estima-se que existam cerca de 1.000.000 (um milhão) de pessoas que sofrem desta patologia.

A diabetes mellitus do tipo I e a diabetes mellitus do tipo II constituem o maior número de casos de diabetes, embora a diabetes gestacional (que ocorre durante a gravidez) e outros tipos de diabetes também se verifiquem em alguns casos.

A diabetes caracteriza-se por ser um desequilíbrio no organismo que impede a utilização pelas células da glucose resultante dos alimentos que consumimos. A insulina, que é produzida pelo pâncreas, é a hormona responsável por facilitar a entrada de glucose nas células.

 

Quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina, ou a produz em quantidade insuficiente, a glucose não consegue entrar nas células para ser utilizada pelas mesmas para o fornecimento de energia ficando concentradas no sangue. Esta elevada concentração de glucose no sangue resulta em toxicidade no organismo que pode causar danos nos tecidos.

A diabetes mellitus do tipo I é também conhecida como diabetes insulino – dependente, pois neste tipo de diabetes, o pâncreas fica incapacitado da produção de insulina, devido ao facto de as células do pâncreas responsáveis pela produção desta hormona serem destruídas. As pessoas que sofrem de diabetes do tipo I necessitam de terapêutica diária com insulina, uma vez que o pâncreas deixa de produzir esta substância.

Na diabetes mellitus do tipo II, o pâncreas produz insulina embora esta seja produzida em quantidade insuficiente. Neste caso, os doentes não estão dependentes da administração de insulina mas têm de controlar os seus hábitos de vida, como a alimentação, a prática de exercício físico e a moderação do stress para que não venham a ser vítimas de consequências mais graves provocadas por esta doença.

A diabetes gestacional surge durante a gravidez e desaparece normalmente no fim da mesma. Contudo, as grávidas que desenvolvem diabetes durante a gestação têm maior probabilidade de vir a desenvolver a doença no futuro, se não tiverem os devidos cuidados.

Os factores que predispõem a pessoa a poder vir a desenvolver diabetes são pois maioritariamente factores genéticos, ou seja, quando a pessoa tem um ou mais familiares que sofram da diabetes, e factores de estilo de vida, tais como alimentação de risco, pelo consumo excessivo de açúcares e de gorduras, sendo as pessoas com obesidade as mais predispostas à doença, sedentarismo e pessoas sujeitas a stress constante, pessoas com hipertensão arterial ou níveis elevados de colesterol. Outras causas da doença embora mais raras são tumores no pâncreas e pancreatite provocada por excesso de álcool.

Os sintomas mais comuns da doença são a poliúria (aumento do número de vezes que se urina), polidípsia (sede constante e intensa), polifagia (fome constante que não alivia quando se come), xerostomia (sensação de boca seca), fadiga, prurido (comichão no corpo, sobretudo ao nível dos genitais e visão turva. Nas crianças e jovens os sintomas mais comuns são o surgimento de uma constante vontade de urinar (a criança pode voltar a urinar na cama), sede excessiva, emagrecer rapidamente, grande fadiga acompanhada de dores musculares, apetite aumentado, dores de cabeça e vómitos.

Na Clinica da Vinci existem diversas especialidades Terapêuticas que poderão ajudar a não só prevenir o surgimento da doença, mas também a promover um aumento do bem-estar e da qualidade de vida dos que já sofrem de diabetes.

A Naturopatia actua na diabetes equilibrando todos os mecanismos relacionados com a regulação dos açúcares, para além de que equilibra também o organismo de cada pessoa controlando uma eventual predisposição para que a mesma possa desenvolver diabetes.

Numa consulta de Medicina Quântica será feita uma análise que permite detectar e compreender que factores estão em desequilíbrio no organismo da pessoa e a levaram, ou poderão levar, a desenvolver diabetes. Para além de detectar, o aparelho de Medicina Quântica tem ainda a capacidade de equilibrar estes factores detectados como estando em desequilíbrio através do envio de impulsos eléctromagnéticos com frequências específicas que irão equilibrar os factores que estão em desequilíbrio no organismo.

Na consulta de Medicina Quântica poderão ser propostas pelo Terapeuta medidas que podem envolver Homeopatia, Fitoterapia, Oligoterapia, entre outras, sendo que será sempre utilizada a Terapêutica que melhor se adequa a cada caso especifico com a finalidade de estabilizar ou prevenir a doença tornando o doente protegido contra as consequências danosas desta patologia. Para além do tratamento nestas áreas poderão ainda ser sugeridas ao paciente o recurso à Acupunctura ou à Nutrição, de acordo com cada caso.